Compartilhe no Facebook

textos: Pão Diário.

A mentalidade parasita

Leia: Filipenses 2:1-11
A Bíblia em um ano: GÊNESIS 4, cap. 5, cap. 6; MATEUS 2
Não procurem apenas os próprios interesses, mas preocupem-se também com os interesses alheios. (v. 4)
A Palavra de Deus é um livro de relacionamentos.
Nos Dez Mandamentos, os quatro primeiros regulam como nos relacionamos com Deus; os outros seis dizem respeito ao próximo.
O Senhor se move através dos relacionamentos.
Em Provérbios 30:15 lemos: “A sanguessuga tem duas bocas que dizem: ‘Mais, mais!’…”.
Parasitas como a sanguessuga vivem para se alimentar dos outros.
Infelizmente, muitos agem assim nos relacionamentos. Quando os jovens vêm a mim falando que querem se casar para serem felizes, eu lhes digo que, se querem ser felizes, não devem se casar.
Normalmente, eu os assusto, mas explico-lhes que a ideia de Deus para o casamento não é ser feliz, mas fazer feliz.
Essa é a perspectiva do Senhor para todas as relações humanas.
Muitos relacionamentos terminam arruinados porque alguns agem como “parasitas”, mesmo inconscientemente.
Não só nos casamentos, mas até mesmo na igreja alguns chegam com a mentalidade de consumo.
Exigem alta qualidade no serviço a si, mas eles mesmos não servem.
Quem age assim pratica o parasitismo. Por outro lado, aquele que se doa está conectado ao coração de Deus.
O que buscamos em nossos relacionamentos: oferecer ou receber?
Responder essa pergunta o tornará frutífero, levando-o a alcançar a maturidade.
Pensemos na forma de nos relacionarmos sob a perspectiva bíblica da autodoação.

— Lisa M. Samra

Senhor, dá-me um coração doador como o Teu 
em todos os meus relacionamentos.