Compartilhe no Facebook

ATOS 28:1-16

Deus colocou um sentimento de humanidade no coração dos pagãos da ilha de Malta (como fez anteriormente no de Júlio, o centurião: v. 2; cap. 27:3). Eles acolhem e confortam os náufragos.

No meio desse povo, o Senhor se alegra em tornar Seu servo conhecido por meio de um milagre. O apóstolo, que recolhia lenha para a fogueira, é mordido por uma víbora sem que esta lhe cause dano algum.

Esse é um dos sinais que deveriam seguir os discípulos. Outro sinal era a imposição das mãos sobre os enfermos para que fossem curados (Marcos 16:17-18).

A benevolência dos “bárbaros” de Malta é rapidamente recompensada. Todos os enfermos da ilha, a começar pelo pai de Públio, são curados pelo poder de Deus.

E esperamos que também muitas dessas pessoas tenham encontrado a cura da alma. Desse modo, a oposição do inimigo somente serviu para que uma nova terra ouvisse o Evangelho.

A viagem de Paulo termina. Antes de trazer qualquer coisa aos irmãos de Roma, ele mesmo é confortado pelo amor fraternal deles. Até mesmo o mais jovem crente é motivo de alegria e estímulo para um servo de Deus.