Compartilhe no Facebook

Atos 23:1-15

O comandante não conseguiu entender o motivo da fúria dos judeus contra um homem em quem não havia nada para reprovar.

Para informar-se, apresenta o prisioneiro diante do Sinédrio. Uma hábil palavra de Paulo coloca os fariseus do seu lado.

A ressurreição de Jesus Cristo era o fundamento de sua doutrina e indiretamente a razão da oposição dos judeus. Mas Paulo nem sequer mencionou o nome do seu Salvador.

Suas palavras causaram tal discórdia entre os fariseus e os saduceus — tradicionais adversários —, que mais uma vez o comandante teve de resgatá-lo e envia-lo a um lugar seguro.

Depois de todos esses acontecimentos, o apóstolo, só e talvez desanimado, precisa ser fortalecido. E é o Senhor mesmo quem se apresenta ao amado servo (v. 11).

Ele não o reprova; pelo contrário, o Senhor reconhece o testemunho que Paulo dera em Jerusalém, o consola e o relembra de sua verdadeira missão:

a de pregar a salvação não para os judeus, mas para as nações gentias. Com esse propósito, Paulo vai para Roma.

Que sempre possamos gozar da experiência de ter o Senhor “ao nosso lado” e, por esse motivo, não precisemos estar ansiosos (Filipenses 4:5-6; 2 Timóteo 4:17).