Compartilhe no Facebook
(romanos9.João Ferreira de Almeida)
(romanos9.Nova Versão Internacional)
(romanos9.Nova Tradução Linguagem Hoje)
(romanos9.King James)
(romanos9.Testemunhas de Jeová)
(romanos9.Nova Versão Transformadora)

Romanos 9 - Versão Católica
Tristeza de Paulo por causa da incredulidade de Israel
1. Deus é soberano Digo a verdade em Cristo, não minto, e disso me dá testemunho a minha consciência pelo Espírito Santo:
2. tenho uma grande dor e um contínuo sofrimento no coração.
3. Sim, eu gostaria de ser amaldiçoado e separado de Cristo em favor dos meus irmãos de raça e sangue.
4. Eles são israelitas e possuem a adoção filial, a glória, as alianças, a legislação, o culto e as promessas;
5. deles são os patriarcas e deles nasceu Cristo segundo a condição humana, que está acima de tudo. Deus seja bendito para sempre. Amém.
A liberdade absoluta da graça de Deus
6. A palavra de Deus, porém, não falhou, pois nem todos os nascidos de Israel são Israel,
7. e nem todos os descendentes de Abraão são filhos de Abraão. Não: ""É de Isaac que sairá a descendência de Abraão.""
8. Isto é, não é a geração natural que torna filhos de Deus, mas os filhos da promessa é que são considerados descendentes.
9. De fato, as palavras da promessa são estas: ""Por essa época voltarei, e Sara terá um filho.""
10. E isso não é tudo. Também Rebeca concebeu de um só homem, de Isaac, nosso pai.
11. Quando os filhos dela ainda não haviam nascido e nada tinham feito de bem ou de mal - isso para que ficasse confirmada a liberdade da escolha de Deus,
12. dependendo não das obras, mas daquele que chama - então foi dito a Rebeca: ""O mais velho será servo do mais novo"",
13. como diz a Escritura: ""Amei a Jacó mais do que a Esaú.""
14. Que diremos então? Que Deus é injusto? De jeito nenhum!
15. Ele mesmo disse a Moisés: ""Farei misericórdia a quem eu fizer misericórdia, e terei piedade de quem eu tiver piedade.""
16. Portanto, a escolha não depende da vontade ou do esforço do homem, mas da misericórdia de Deus.
17. Por isso a Escritura diz ao faraó: ""Eu fiz você nascer precisamente para mostrar em você o meu poder e para que o meu nome seja celebrado em toda a terra.""
18. Portanto, Deus usa de misericórdia com quem ele quer, e endurece a quem ele quer.
19. Você me dirá então: ""Por que Deus ainda se queixa? Quem pode resistir à vontade dele?""
20. Mas, quem é você, homem, para discutir com Deus? Por acaso, o vaso de barro diz ao oleiro: ""Por que você me fez assim?""
21. Por acaso o oleiro não é dono da argila, para fazer com a mesma massa dois vasos, uma para uso nobre e outro para uso comum?
22. Ora, Deus quis manifestar a sua ira e mostrar o seu poder, suportando com muita paciência os vasos da ira, já prontos para a perdição.
23. Deus assim fez para mostrar a riqueza da sua glória para com os vasos de misericórdia, que ele havia preparado para a glória,
24. isto é, para conosco, a quem Deus chamou, não só dentre os judeus, mas também dentre os pagãos...
25. Como ele diz em Oséias: ""Chamarei Meu-povo àquele que não é meu povo, e Amada àquela que não é amada.
26. E acontecerá que, no mesmo lugar onde foi dito a eles: vocês não são meu povo, aí mesmo serão chamados filhos do Deus vivo.""
27. E quanto a Israel, Isaías proclama: ""Mesmo que o número dos israelitas seja como a areia do mar, o resto é que será salvo;
28. porque Deus cumprirá sua palavra sobre a terra com plenitude e rapidez.""
29. E ainda como Isaías havia predito: ""Se o Senhor dos Exércitos não nos tivesse deixado uma descendência, ficaríamos como Sodoma e nos tornaríamos como Gomorra.""
30. A descrença de Israel O que diremos então? Os pagãos, que não procuravam a justiça, alcançaram a justiça, mas a justiça que vem da fé;
31. ao passo que Israel procurava uma lei que lhe trouxesse a justiça, mas não conseguiu essa lei.
32. Por quê? Porque não a procurou através da fé, mas através das obras. Esbarraram na pedra de tropeço,
33. conforme diz a Escritura: "Eis que eu ponho em Sião uma pedra de tropeço, uma rocha de escândalo; mas quem acreditar nela não será confundido".